Assim como o trade marketing é uma área essencial para a boa execução no varejo físico, o trade marketing digital vem para fazer a gestão de todos os processos dos canais online, minimizando falta de sortimento, indisponibilidade de itens, informações incorretas de produtos e outros problemas graves que podem provocar a desistência de uma compra.

Sabemos que a ruptura é uma das grandes dores de cabeça na gestão de um e-commerce, chegando a atingir níveis de mais de 40%, ou seja, a cada dez produtos procurados pelo shopper, quatro estão indisponíveis. Por isso, o acompanhamento deste indicador deve ser diário, para antever a falta de mercadorias em cada canal e, assim, evitar que ela aconteça de fato.

Outro problema bastante recorrente é o abandono de carrinho, que atinge o percentual médio de 38%, segundo estudo da Forrester Research. No Brasil, números de 2015 indicam que esta taxa pode ser ainda maior e chegar a 80%! Entre os motivos para isso ocorrer estão custos adicionais não esperados, preços mais altos que em outros locais ou sites inseguros. Informações insuficientes para “convencer” o consumidor ou produtos não encontrados na busca também podem agravar a situação de fuga.

VEJA TAMBÉM: Mercado deve estar atento ao consumidor omnichannel

Sendo assim, da mesma maneira que o trade marketing convencional faz a ponte entre o varejista e o fabricante, o trade marketing digital busca realizar essa aproximação entre as indústrias e os canais digitais e marketplaces. A ideia é deixar os dois lados a par de tudo o que acontece durante a navegação, apontando falhas como falta de informação sobre um produto, preços mais elevados que os da concorrência ou até mesmo referências incorretas sobre um determinado item, entre outras barreiras que impeçam a efetivação de uma compra.

Trade marketing digital ganha força

Mesmo com toda essa importância estratégica, o trade marketing digital ainda é pouco difundido no Brasil. Ainda existem fabricantes que não possuem uma área dedicada a isso dentro da empresa ou, até mesmo, incorporam essa tarefa em outros setores. Apesar disso, o segmento vem ganhando força, ao passo que o e-commerce também cresce, afinal ninguém quer perder venda.

Na prática, é preciso ter alguém olhando o tempo todo para o que o consumidor online quer e precisa, como age, as dificuldades que encontra no processo de compra. Não se pode deixar, por exemplo, que um cliente saia de um canal sem comprar porque não achou o produto no setor desejado ou porque não havia informações de cores disponíveis. Essas são perdas de venda que poderiam ser facilmente evitadas, caso houvesse uma gestão de trade marketing digital mais eficiente.

Além de monitorar o e-commerce, acertar na estratégia de trade marketing digital também significa melhorar o desempenho nas lojas físicas. Isso porque sabemos que muitas pessoas pesquisam na internet antes, mas ainda preferem efetuar a compra de forma presencial.

Quando observamos o potencial do e-commerce no Brasil, com previsão de crescimento de 12% para este ano, percebemos ainda mais a importância de olhar para o trade marketing digital como um setor essencial, seja para a indústria ou para o varejista. Ter uma estratégia bem definida e acompanhada diariamente é um passo à frente para o sucesso das vendas no mundo virtual.

VEJA TAMBÉM: Como melhorar a performance no varejo eletrônico